Portugal se reencontra com seu passado judaico

Artigos recentes  na imprensa portuguesa atestam a substancial mudança de parâmetros históricos em relação ao passado de Portugal. Estudiosos, professores universitários e intelectuais em geral, com o apoio dos órgãos governamentais, estão pondo à luz uma história subterrânea, oculta e mal contada que afetou milhões de pessoas ao longo dos séculos.

Presidente de Portugal

Presidente de Portugal

Por Sheila Sacks Mais de quinhentos anos após os judeus serem expulsos de Portugal, o presidente Rebelo de Sousa admite que tal fato foi um “erro histórico” que, ao longo dos séculos, se mostrou desfavorável ao país. “Com a saída dos judeus, Portugal perdeu em termos culturais, científicos, econômicos e financeiros”, observou o primeiro mandatário português aos jornalistas presentes em uma exposição sobre a presença judaica em território lusitano, ocorrida entre 20 de março e 29 de abril deste ano.   Instalada no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa, a exposição “Heranças e Vivências Judaicas em Portugal” foi organizada pela “Rede de Judiarias de Portugal – Rotas de Sefarad” (nome hebraico para a Península Ibérica), uma associação público-privada fundada em 2011, com sede em Belmonte, e que atualmente congrega 37 municípios portugueses. Cidades populosas como Lisboa e Porto também fazem parte da Rede que iniciou, em maio, um périplo pelo país levando a exposição para todas as localidades incluídas no projeto, a começar por Bragança, na região de Trás-os-Montes, no norte de Portugal.   Em paralelo, uma réplica da exposição também foi mostrada em Oslo, no Centro de Estudos do Holocausto e minorias religiosas (HL- Senreret), com o apoio da organização Eea Grants, que reúne a Noruega, Islândia e Liechtenstein em um comitê econômico para subvencionar programas sociais, culturais e esportivos em 16 países da Europa. A apresentação teve a finalidade de divulgar a vivência e o legado dos judeus sefarditas em diversas áreas na história de Portugal. Atualmente residem em Portugal três mil judeus, majoritariamente em Lisboa, Porto e Belmonte.   Herança judaica PORTUGAL -PLACA REDE JUDIARIAS Eleito em março de 2016, Marcelo Rebelo de Souza, 68 anos, foi deputado pelo Partido Social Democrata (PSD) e ministro de Assuntos Parlamentares. Jurista e catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa, ele também foi comentarista político de TV. Na conversa com jornalistas, Rebelo de Souza enfatizou o mérito de resgatar a herança judaica portuguesa. “Há muitos portugueses que não têm a noção de que antes de haver Portugal já havia comunidades judaicas fortes no território que viria a ser o nosso país. E não têm a noção da importância dessas comunidades”, afirmou.   Segundo o presidente, os judeus perseguidos que saíram de Portugal foram para outros pontos da Europa e principalmente para os Estados Unidos e demais países do continente americano. A exposição, a seu ver, permite perceber o tamanho dessa perda em termos de capital humano e também compreender o impacto desse dano. ”Nós perdemos aquilo que outras sociedades ganharam, ainda que a presença judaica em Portugal, em parte, continuou, de forma escondida, dissimulada, por detrás da aparente conversão ao cristianismo”, avaliou.

Sinagoga em Belmonte

Sinagoga em Belmonte

Nos últimos anos o governo português tem apoiado o empenho de alguns setores da sociedade para resgatar a herança judaica sefardita (judeus originários da Península Ibérica, basicamente de Portugal e Espanha). Criada com essa finalidade, a “Rede de Judiarias de Portugal” vem trabalhando, há seis anos, com o objetivo de valorizar o patrimônio cultural e histórico judaico, entendido como um forte componente formador da identidade portuguesa e peninsular. De acordo com o site da organização, a contribuição dos judeus portugueses para a história do mundo foi enorme: “Desde a ciência náutica, que há mais de 500 anos deu ao país um avanço decisivo para o início da globalização, à evolução da economia mundial e da medicina, setores em que o papel dos sefarditas nacionais se tornou preponderante.” Sobre esse incremento à ciência náutica, estudiosos sustentam que Pedro Álvares Cabral (1467-1520), nascido em Belmonte, e Cristóvão Colombo (1451-1506), que para alguns historiadores é português da região do Alentejo, seriam descendentes de judeus sefarditas e suas tripulações que aportaram no novo mundo seriam formadas por cripto-judeus.   Os judeus sefarditas têm costumes e ritos próprios – inclusive um idioma, o ladino, mistura de palavras hebraicas com o português, espanhol, árabe e catalão – diferentes dos judeus asquenazim, mais numerosos, oriundos de países da Europa Central e Oriental, como a Alemanha, Áustria, Rússia, Polônia e outros.   Turismo cultural

Museu Judaico em Belmonte

Museu Judaico em Belmonte

Além da busca pelo passado histórico, a Rede vem se dedicando ao incremento do turismo judaico em Portugal. O presidente da organização, António Dias Rocha, que também preside a Câmara Municipal de Belmonte, esteve em fevereiro em Tel Aviv, ao lado de empresários portugueses, participando da Feira Internacional de Turismo do Mediterrâneo. Na ocasião, ele reforçou o papel da Rede no nicho de oferta de turismo cultural que no caso específico de Portugal tem a herança judaica como um dos seus mais significativos e interessantes atrativos. A localidade de Belmonte, sede nacional da Rede e berço do navegante Pedro Álvares Cabral, é considerada a única vila da Península Ibérica onde a organização comunitária judaica se manteve de forma secreta ou discreta, desde o decreto de expulsão de 1496, atravessando todo o período da inquisição (de 1536 a 1821) e chegando até os nossos dias. Situada a 300 quilômetros de Lisboa, na região central de Portugal, Belmonte tem cerca de 3.500 habitantes, cem deles judeus. Reconhecida oficialmente em 1989, a comunidade tem uma sinagoga, a “Beit Eliahu”, inaugurada em 1996; um cemitério judaico, aberto em 2001; e o Museu Judaico, o primeiro a ser inaugurado no país, em 2005. O prédio, que recentemente foi reformado, abriga mais de uma centena de peças religiosas e retrata a história da presença sefardita em Portugal, usos e costumes, e um memorial sobre a Inquisição.    Produtos casher   Representante da organização “Shavei Israel” (Retorno a Israel), o rabino Elisha Salas, 59 anos, da comunidade judaica de Belmonte, elogia o trabalho da Rede que considera fundamental para difundir os 500 anos de história da presença judaica em Portugal. “É necessário desenterrar a história judaica, levá-la às pessoas e expor a riqueza que se encontra escondida no território português”, enfatiza. Com sede em Jerusalém, a “Shavei Israel” se dedica a resgatar os chamados “judeus perdidos”,  em referência aos judeus convertidos à força ao cristianismo à época da Inquisição.   PORTUGAL - PORTO PLACA DE RUADe origem chilena e descendente de judeus sefarditas, o rabino Salas está em Belmonte desde 2009 e tem incentivado a elaboração de produtos casher (do hebraico ‘correto’),  alimentos que são produzidos de acordo com as leis judaicas em relação ao abate de animais, à proibição de ingestão de carne suína e à mistura de laticínios com carne. Ele afirma que já existem restaurantes que servem comida conforme os rígidos preceitos judaicos de alimentação. “Desloquei-me aos locais para ensinar e ter a certeza de que a comida é confeccionada mediante as nossas regras e certifiquei esses restaurantes. Atualmente existem produtos como queijos, compotas, carnes, bebidas e vinhos que podem ser adquiridos com o selo casher”, reforça.   Antes de se fixar em Belmonte, o líder judaico ficou à frente da Sinagoga do Porto, de 2004 a 2007. Membro do Conselho Consultivo da Rede – ao lado de nomes importantes no cenário cultural português, como o escritor americano Richard Zymler, residente no Porto, autor do best-seller “O Último Cabalista de Lisboa”, e Jorge Martins, historiador, escritor e diretor da coleção de livros “Sefarad”  -  o rabino Salas, em 2015, solicitou a naturalidade portuguesa em função da regulamentação da lei  que possibilita essa concessão a descendentes de judeus sefarditas expulsos de Portugal.

Memorial em Lisboa

Desculpas oficiais

Memorial em Lisboa

Memorial em Lisboa

No início de 2015, o governo português aprovou as novas regras para a atribuição da nacionalidade portuguesa por naturalização aos descendentes de judeus sefarditas expulsos do país há mais de 500 anos.  Na ocasião, a então ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, afirmou que a nova lei era a “atribuição de um direito”, reconhecendo que judeus viveram na região muito antes de o reino português ter sido fundado no século 12.   Promulgado pelo presidente à época, Aníbal Cavaco Silva, o Decreto-Lei nº 30-A/2015 foi publicado no Diário da República em de 27 de fevereiro de 2015, e entrou em vigor em 1º de março. Antes, pedidos públicos de desculpas aos judeus pela Inquisição, perseguições e mortes foram oficializados em 1988 e 2000 pelo ex-presidente Mário Soares (falecido em janeiro deste ano) e pelo patriarca de Lisboa, D.José Policarpo (1936-2014),respectivamente.   Em 2008, um memorial em forma de uma estrela de David foi inaugurado em frente à tradicional igreja de São Domingos, uma construção do século 13 localizada na praça do Rossio, no centro de Lisboa, para lembrar uma das mais trágicas páginas da história dos judeus em Portugal: o genocídio de mais de 2 mil  “cristãos-novos” (judeus convertidos à força, a partir de 1496, por édito do rei D.Manuel I),  iniciado no domingo de Páscoa e que ficou conhecido como o  massacre (pogrom) de Lisboa. Durante três dias, frades dominicanos incitaram os moradores da cidade a matar e queimar os conversos (alguns historiadores afirmam que foram mortas 4 mil pessoas) considerados “eternamente judeus” pela maioria da população. A inscrição na escultura lembra a chacina: “Em memória dos milhares de judeus, vítimas da intolerância e do fanatismo religioso, assassinados no massacre iniciado a 19 de abril de 1506, neste largo.”    Conversão forçada

Sinagoga de Lisboa

Sinagoga de Lisboa

Remanescentes de uma próspera comunidade que por volta de 1490 chegaria a 30 mil pessoas e que após a chegada dos judeus expulsos da Espanha, em 1492, somou perto de 120 mil, essa considerável população judaica, quatro anos depois, foi obrigada a se sujeitar à conversão forçada ao cristianismo ou sair definitivamente de Portugal, por imposição real. A matança da Páscoa, em 1506, acelerou essa fuga e aqueles que permaneceram tiveram que encarar, trinta anos depois, a intolerância e a violência da Inquisição, que levou às fogueiras pelo menos duas mil pessoas, a maioria de judeus convertidos. Atualmente, muitos portugueses estão redescobrindo as suas raízes judaicas, salienta Gabriel Steinhardt, presidente da Comunidade Israelita de Lisboa que hoje congrega 300 famílias judaicas. Para ele, à época dos descobrimentos, 10% da população portuguesa, calculada em 1 milhão de pessoas, eram de cripto-judeus, ou seja, judeus que seguiam a sua fé em segredo por medo das perseguições religiosas e ao mesmo tempo publicamente se apresentavam como cristãos, os denominados cristãos-novos. “Este é um fenômeno que influencia a sociedade civil portuguesa até hoje, não havendo na realidade nenhum português que, independentemente da religião que pratique, possa ter a certeza de que não possui uma costela ancestral judaica.”   Assim, muitos portugueses estão descobrindo tradições misteriosas conservadas por avós e bisavós, como, por exemplo, acender velas nas noites de sexta-feira, o ritual da limpeza da casa também nas sextas, e a elaboração do pão achatado cozido todos os anos, por ocasião da primavera na Europa, quando se comemora a Páscoa judaica. Essas e outras lembranças que sobreviveram de um rico passado judaico são o testemunho do grande risco que ao longo dos séculos os cripto-judeus ou anussim (do hebraico ‘forçado’), ou ainda marranos (termo inicialmente pejorativo, talvez advindo de vocábulo peninsular da Idade Média que designava suíno) enfrentaram praticando secretamente o judaísmo.

Sinagoga do Porto

Sinagoga do Porto

Histórias se contam que os judeus que foram obrigados a deixar Portugal, assim como os judeus da Espanha, levavam consigo a chave da casa na esperança de um dia retornarem ao lar. De geração em geração, essas chaves foram mantidas guardadas em segredo, no exílio, mas a grande maioria se perdeu nas fendas dos séculos. Atualmente, pouco mais de 3 mil judeus vivem em Portugal. Com a implementação da lei que oferece a cidadania portuguesa aos que demonstrarem por documentos (registros em sinagogas e cemitérios judaicos, títulos de residência, propriedades, testamentos e outros comprovantes de ligação familiar com a comunidade serfadita de origem portuguesa) serem descendentes dos judeus sefarditas que foram expulsos da Península Ibérica no século 15, espera-se que uma nova leva de judeus de várias partes do mundo volte seus olhos para as terras lusas. Pelos cálculos de diversas organizações judaicas existem 3,5 milhões de judeus sefarditas espalhados em dezenas de países.   Nacionalidade para 431 sefarditas   Com base na nova lei de cidadania, o governo português já concedeu a nacionalidade portuguesa a 431 sefarditas (de um total de mais de 3.800 pedidos), sendo que cerca de 63% são provenientes da Turquia (271 cidadãos). O país tem uma comunidade de 16.500 judeus sefarditas e é de lá que surgem 40% da totalidade dos pedidos de cidadania. Em seguida vem Israel e Brasil. Estima-se que no Brasil existam 40 mil judeus sefarditas de uma comunidade que soma 110 mil judeus.   Apesar do interesse das autoridades portuguesas em incrementar esse tipo de imigração, apenas 39 brasileiros preencheram os requisitos necessários para a sua naturalização, entre 2015 e dezembro de 2016, de acordo com ministério da Justiça de Portugal. Em contrapartida, de 2010 a 2016, mais de 87 mil brasileiros conseguiram a cidadania portuguesa, a grande maioria por serem filhos e netos de portugueses.   Por outro lado, existem no Brasil várias comunidades de bnei anussim ( do hebraico ‘filhos de forçados’ ou cristãos descendentes de judeus convertidos à força) espalhadas pelo país, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, que estão tentando se reencontrar com suas raízes judaicas. Segundo estudiosos, até 1660 os anussim eram a totalidade dos portugueses que se estabeleceram na colônia, fugindo da Inquisição. E a sinagoga mais antiga das Américas foi construída em Recife, a “Kahal Zur Israel” (Rocha de Israel), em 1636, no período das invasões holandeses(1624-1654).   Atualmente calcula-se que pelo menos 5 milhões de brasileiros cristãos podem ser descendentes de cripto-judeus e muitos deles têm dificuldade de ingressarem nas comunidades judaicas que se tornaram mais fechadas por conta do antissemitismo que nunca deixou de existir.   Também os sefarditas ingleses já demonstram vontade de obter a cidadania portuguesa depois da decisão do Reino Unido de sair da União Europeia, o chamado “Brexit” (abreviatura de Britain Exit), em 23 de junho de 2016. Segundo o jornal britânico “The Guardian”, o porta-voz da comunidade judaica do Porto, Michael Rothwell, afirmou que nos dois meses subsequentes à votação 400 pessoas consultaram a instituição sobre a possibilidade de obtenção da cidadania para terem um passaporte europeu. O jornal destaca que o interesse dos judeus ingleses por Portugal tem se mostrado maior do que pela Espanha, cuja lei de cidadania de retorno é considerada mais complexa. Para a Federação das Comunidades Judaica da Espanha, um dos motivos seria o fato de Madri exigir testes de conhecimento da língua espanhola dos candidatos, o que não acontece em Portugal.

Pacificação com o passado

Algarve

Algarve

Em artigo publicado na revista semanal “Visão”, em março deste ano (‘Porque estudar os sefarditas?’), o coordenador da área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona, em Lisboa, professor Paulo Mendes Pinto, faz uma reflexão sobre a herança sefardita em Portugal e a necessidade de resgatá-la como forma de pacificação com um passado que foi imposto e que se tornou parte da natureza dos portugueses. “A busca pelo conhecimento da história sefardita, o valorizar desse patrimônio e a recuperação e construção de espaços a ela dedicados, é um equacionar da própria identidade nacional”, escreve. “Hoje, sem os constrangimentos do pensamento inquisitorial, libertos para um reencontro que, afinal, é conosco e não com nenhuns ‘outros’”.   Investigador da Cátedra de Estudos Sefarditas “Alberto Benveniste” da Universidade de Lisboa, Mendes Pinto afirma que é preciso “equacionar o que, como coletivo, perdeu-se com a Inquisição e com o desenvolvimento de um catolicismo inquisitorial”. Ele lembra que com a fuga das mais brilhantes mentes e dos possuidores das melhores competências, Portugal perdeu em conhecimento e progresso. Deixou escapar “um passado que também tem, na herança sefardita, o gosto pelo risco, pela descoberta, pelo empreendedorismo, pelo cosmopolitismo e pela cultura.”

Guarda

Guarda

Mendes Pinto destaca ainda em seu texto que a história dos sefarditas portugueses foi uma “história de medo construída nas cidades, nas vilas e nas aldeias onde o cripto-judaísmo se foi implantando como forma de vida dupla, com o ‘credo na boca’ para provar a qualquer momento que se era bom católico”. Assinala que com as perseguições ao longo do século 15 e com a instalação da Inquisição a sociedade portuguesa “se transformou numa sociedade da denúncia, da mediocridade, do desrespeito pela consciência e da menorização do pensamento e recusa à crítica”.

Mas, hoje, Portugal se apresenta mais aberto para um reencontro com o seu passado e Mendes Pinto acredita que a forma como a sociedade portuguesa vai tratar essa memória e passado é que irá definir o seu presente e o futuro como nação. Nesse ambiente propício a uma aproximação e apaziguamento de questões históricas e religiosas, um projeto de museu judaico toma forma no tradicional bairro de Alfama, em Lisboa.

Contando com doações internacionais e o apoio da municipalidade, o Museu Judaico de Lisboa será instalado no Largo de São Miguel, coração de Alfama, um local considerado de forte simbologia pela comunidade judaica portuguesa porque lá existiu uma “judiaria” e uma sinagoga. O fato provocou questionamentos por parte de associações de proteção ao Patrimônio que temiam a descaracterização do lugar onde está situada a Igreja de São Miguel, classificada como patrimônio cultural de Portugal, e de prédios antigos construídos antes do terremoto de 1755 que destruiu grande parte da cidade. Mas a Câmara de Lisboa julgou, por unanimidade, que o projeto arquitetônico do museu não coloca em risco o caráter e a autenticidade do histórico largo de São Miguel e que a construção dos dois edifícios que vão compor o museu cumpre toda a legislação em vigor.

PORTUGAL - ALFAMA MUSEU JUDAICOO Museu Judaico de Lisboa terá um custo de 2,9 milhões de euros e será gerido pela Associação de Turismo de Lisboa. O objetivo central é contar a história dos 800 anos de presença judaica em Portugal. A idealizadora do programa pedagógico do museu, Esther Mucznik, diz que o local funcionará como um centro de recolhimento, preservação e divulgação do patrimônio material e imaterial judaico-português. Fundadora da Associação Portuguesa de Estudos Judaicos e membro da Comissão Nacional de Liberdade Religiosa, Mucznik foi vice-presidente da Comunidade Israelita de Lisboa (CIL), de 2002 a 2016, e é autora de vários livros sobre a temática judaica, como “Grácia Nasi, a judia portuguesa do século XVI que desafiou o seu próprio destino” (2010) e  “Portugueses no Holocausto (2012).

Sobrenomes sefarditas

No texto do decreto de nacionalidade emitido pelo ministério da Justiça estão listados uma centena de sobrenomes (apelidos) portugueses sefarditas, com a ressalva que muitos já se encontram misturados com sobrenomes “castelhanos”.  Sabendo-se também que a simples comprovação do sobrenome não é suficiente para a entrada com o pedido de cidadania. É preciso incluir dados complementares, cabendo às Comunidades Israelitas de Lisboa e do Porto a emissão do documento de confirmação da ascendência sefardita no processo de naturalização.

PORTUGAL - LISBOA CIDADE DA TOLERÂNCIAEis a lista dos sobrenomes sefarditas citados no decreto: Abrantes, Aguilar, Almeida, Álvares, Amorim, Andrade, Avelar, Azevedo, Barros, Basto, Belmonte, Brandão, Bravo, Brito, Bueno, Cáceres, Caetano, Campos, Cardoso, Carneiro, Carvajal, Carvalho, Castro, Crespo, Coutinho, Cruz, Dias, Dourado, Duarte, Elias, Estrela, Ferreira, Fonseca, Franco, Furtado, Gaiola, Gato, Gomes, Gonçalves, Gouveia, Granjo, Guerreiro, Henriques, Josué, Lara, Leão, Leiria, Lemos, Lobo, Lombroso, Lousada, Lopes, Macias, Machado, Machorro, Martins, Marques, Mascarenhas, Mattos, Meira, Melo e Prado, Mello e Canto, Mendes, Mendes da Costa, Mesquita, Miranda, Montesino, Morão, Moreno, Morões, Mota, Moucada, Negro, Neto, Nunes, Oliveira, Osório (ou Ozório), Paiva, Pardo, Pereira, Pessoa, Pilão, Pina, Pinheiro, Pinto, Pimentel, Pizarro, Preto, Querido, Rei, Ribeiro, Rodrigues, Rosa, Sarmento, Salvador, Silva, Soares, Souza, Teixeira, Teles, Torres, Vaz, Vargas e Viana.

Por último, mais um dado histórico para reforçar o apreço e a solidariedade aos bnei anussim brasileiros. Por força da Inquisição que chegou ao Brasil a partir de 1579, foram levados presos aos Autos da Fé em Lisboa 400 cristãos-novos acusados de judaizantes. Destes, 20 foram executados, 18 degolados e queimados e dois colocados vivos nas fogueiras. Um passado que feriu a ferro e fogo centenas de famílias brasileiras perseguidas pela intolerância religiosa, cujos descendentes, aos milhares, nem imaginam o terror e o sofrimento que permearam a vida de seus antepassados, desconhecendo, ainda, a rica herança cultural que eles trouxeram e que acabou se perdendo, lamentavelmente, pelos caminhos do tempo.

Postado por )

Share